Festa da Padroeira - Mãe de Deus e dos órfãos



A nossa paróquia Mãe de Deus e dos órfãos, teve o Decreto de Criação em Vila Rica, no dia 08 de fevereiro de 1998, ficando assim desmembrada da Paróquia Nossa Senhora do Rosário.

A licença para a Constituição da capela foi dada em 05 de novembro de 2010, datada e assinada pelo Bispo Dom Nelson Westrupp.

E assim começa a nossa história.

Em um bairro cheio de dificuldades, onde pessoas humildes lutavam contra as injustiças e a falta de segurança, atendimento médico e escolar, nascia uma esperança.

Deus colocava com a sua mão de Pai, uma luz e possibilidades trazidas pela fé e confiança.

Uma capelinha de madeira construída com dificuldades em meio à disposição e muita luta de pessoas que não se abateram. Ergueram as mangas e colocaram suas mãos no trabalho e seu coração em Deus. Pessoas que mesmo com as suas dificuldades diárias arrumavam tempo e disposição para messe que o senhor às confiava.

Cito aqui o nome de algumas pessoas, e me desculpem se esqueci de algumas, mas certamente Deus não às esquece.

Sr. Augusto e Dona Maria caminhando, se entregando ao trabalho árduo de levar a Boa Nova pela construção da capela, e deixavam muitas vezes seus próprios problemas para abraçar uma causa sem desânimos. Tudo pela messe. Hoje os dois vivem no mesmo endereço, Dona Maria sofreu um AVC, mas ainda animada pela fé vive em oração constante e lutando, mantendo a esperança.

Dona Clarice e seu Alcides que foram colocando os tijolinhos para que a capela de madeira se tornasse de alvenaria, um casal que como tantos outros, mas com o propósito de levas adiante o que Deus lhes confiava. Sr. Alcides já falecido, e Dona Clarice se encontra em uma casa de repouso, mas com certeza, sentindo que a missão foi cumprida, pois tudo que fazemos para Deus é o que fica.

Mary, uma mulher lutadora já que seu marido a abandonou com 2 filhos pequenos, guerreira, integra, se dedicou a seus filhos e sozinha venceu com dignidade a sua batalha. Transformou sua magoa e sofrimento em ação voluntaria por uma paróquia estando à frente dos trabalhos da comunidade como tesouraria, bazar, dividindo tarefas, juntando os irmãos e animando pessoas de boa vontade, ainda hoje continua seu trabalho, e abraçando a causa.

Ana Maria (Naninha – um modo carinhoso como a chamamos), mulher forte, ficou viúva aos 39 anos e com 4 meninas para criar, a mais velha já foi morar com o pai. Ela começou na comunidade com 24 anos com o Padre Atílio Tarico, ele passou na rua em que ela morava procurando casas para celebrar a missa, indo primeiramente na casa de sua irmã Edileusa, batendo de porta em porta ia perguntando, e as pessoas foram acolhendo. Foi na casa de seu tio Ácero, e Joisa em sua casa e chamou seu marido Zé, eram todos feirantes trabalhavam na Vila Luzita. O Padre Atílio ia todos os domingos feira e lá se organizavam para saírem a messe, ele pediu ajuda para que eu o ajudasse nas celebrações e sem mesmo eu ser ministra o ajudava, eu era uma leiga que começou a adquirir experiências sem cursos e sem formação participando de tudo. Quando houve a inauguração da igreja eu já estava à frente e me tornando catequista, onde havia muita simplicidade e unidade.

Essas são pessoas leigas que com seus dons contribuíram par a formação da Paróquia.

Queria citar alguns padres somascos que passaram pela nossa comunidade. Peço perdão se me esqueci de algum.

  • Pe. Enzo Campagna crs
  • Pe. Domenico Cristofano
  • Pe. Líbero Zamponi
  • Pe. Heitor
  • Pe. Américo Veccia
  • Pe. Atílo Tarico crs
  • Pe. Ticiano
  • Pe. Pedro Quatrini (conhecido como Pedrinho)
  • Pe. Pedro (conhecido como Pedão)
  • Pe. Francisco Maria T olve crs
  • Pe. Almir Golçalves dos Reis crs
  • Pe. Geraldo Teixeira crs
  • Pe. Carlos Alberto Maranha de Almeida
  • Pe. Paul Chandy Kotackal
  • Pe. Paolo Aluto
  • Irmão Hélio de Souza
  • Irmão Clóvis
  • Pe. Geraldo (conhecido como Geraldão)
  • Pe. Orlando Barayas
  • Pe. Valeriano Jec ou 8 meses
  • Pe. Jairo
  • Pe. Aluisius Peixoto

Uma pequena homenagem a esses sacerdotes que a exemplo de São Jerônimo Emiliani disseram sim e fazem jus a ele.

“Queridos Sacerdotes”

Que nosso Senhor nunca deixe que vocês se cansem.

Se cansarem da vocação

Se cansaram da inspiração

Se cansarem da obrigação

Se cansarem da ordenação

Se cansarem da celebração

Pois se vocês se cansarem onde iremos descansar, onde iremos confessar, onde iremos celebrar, onde iremos nos inspirar, onde iremos aprender a conhecer e a viver o evangelho.

Padres bons e educados

Padres simples e inspirados

Padres puros e irritados

Padres amigos e julgados

Padres cantores e abalados

Padres que triste quando nos faltam

Que belos quando retornam

Que silencio quando se calam

Que esperança quando se ordenam

Que espanto quando se deixam ir

Que alegria quando se dão conta que

Sem esse dom não podem viver

O que seria de nós sem um sacerdote mandado por Deus

Sem direção, sem inspiração, sem celebração

Quão importante é um sacerdote uma referência enviada por Deus para nos conduzir ao caminho que certamente nos leva ao verdadeiro amor e à eternidade.

Presenciamos uma festa linda, com a unidade dos irmãos a novena onde todo ano vem acompanhada com testemunhos lindos recebidos pela Mãe de Deus, jantar de confraternização e o delicioso bolo da Padroeira feito pelas abençoadas mãos de nossas irmãs de comunidade.

Esteve também presente em nossa comunidade recebido com alegria Padre Manoel Franco Moscone, provincial geral do mundo.

São Jerônimo, Mãe de Deus e dos Órfãos, rogai por nós e por todos os órfãos do mundo.


Por, Vera Lúcia Scavazza Souza Lima.